CNT Jornal - CNT - 04.01.12
Emplacamentos de veículos crescem 8,24% no bimestre
Publicado em: 03/03/2010 Gerar um RSS desta página para um leitor de notícias e feeds

O setor de distribuição automotiva registrou bom desempenho nos dois primeiros meses de 2010, quando todos seus segmentos apresentaram crescimento no acumulado do ano.


Os emplacamentos de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos, implementos rodoviários e outros meios de transporte) cresceram 8,24% comparando os dois primeiros meses de 2010 com o mesmo período do ano anterior, saltando de 639.523 unidades para 692.228 unidades. O setor apresentou bom desempenho também em fevereiro. Foram negociadas 349.433 unidades em fevereiro, contra 342.795 unidades em janeiro.

As vendas de automóveis e comerciais leves cresceram 8,39% no acumulado, aumentando de 381.137 unidades para 413.122 unidades. Já a evolução de fevereiro em relação a janeiro foi de 4,77%. “A tendência do mercado é de crescimento, com exceção de motocicletas”, afirmou Sérgio Reze, presidente da Fenabrave (foto ao lado). Em reunião com a imprensa, Reze demonstrou que, na comparação de fevereiro de 2010 com o mesmo mês do ano anterior, quando o mercado ainda sofria os reflexos da crise internacional, o segmento de automóveis e comerciais leves registrou alta de 10,45%. “Mas se compararmos os dados de fevereiro de 2010 com o mesmo mês de 2008, quando estávamos no auge do crescimento, perceberemos que houve aumento de 10,60%, o que significa que o setor está evoluindo realmente”, comentou o presidente da Fenabrave.

Para o mês de março, a entidade projeta um volume de vendas de automóveis superior ao resultado de fevereiro em função do fim da redução da alíquota do IPI. Segundo Reze, a Fenabrave não acredita na possibilidade de manutenção do benefício da redução do imposto já que a necessidade do desconto se esgota devido ao crescimento natural da economia. “Contudo, já que o Governo não se faz a reforma tributária completa, entendo que poderia existir uma reforma setorial, onde o setor automotivo teria uma readequação dos percentuais de alíquota de impostos e outra forma de cobrança de tributos”, comentou o presidente da Fenabrave. Para ele, uma reforma que levasse a reduzir os preços dos produtos também seria um incentivo à produção, às vendas e à geração de empregos.

Os setores de caminhões e motocicletas foram os segmentos que enfrentaram dificuldades em fevereiro. Os emplacamentos de caminhões caíram 18,60% e os das motocicletas tiveram queda de 0,57%. De acordo com Reze, “houve retração na alocação de recursos do BNDES para financiamento de caminhões, mas, a questão será solucionada brevemente já que o BNDES anunciou mais de R$ 40 bilhões para esse financiamento. No segmento de duas rodas o problema é a capacidade cadastral dos consumidores de motos de baixa cilindrada”, explicou o presidente da entidade.

As projeções de emplacamentos para o ano de 2010 não foram revisadas pela entidade, que continua prevendo aumento geral de cerca de 10% para todo o setor.

Confira abaixo o resumo dos emplacamentos:




Distribuição deste press-release: 03/03/10


Divulgação:
Mazzuchini Comunicação e Eventos S/C Ltda.
Contatos: Rita Mazzuchini (Mtb 22128) ou Solange Suzigan
Telefones: (11) 5582-0049

Fonte: Press-release Fenabrave Enviar para um amigo CompartilharImprimir